quarta-feira, 30 de maio de 2012

Review - Episódio 2x09 "Blackwater"


Halfman! Halfman! Halfman!

Até que enfim “Game of Thrones” nos presenteou com o tão esperado episódio da batalha da Água Negra, o evento em que as tramas que vinham sendo desenvolvidas até agora se colidem, e acaba por definir um novo rumo para a série. Confesso que, assim como a maioria dos leitores, desde o princípio eu fiquei apreensivo sobre a apresentação deste acontecimento na série, afinal uma batalha de tamanhas proporções é praticamente impensável numa série de TV. Mas eles conseguiram, e entregaram não só o melhor episódio de toda a série, mas um dos melhores episódios da vida!

Blackwater foi grandioso desde a primeira cena, com os navios de Stannis se aproximando de Porto Real, e os preparativos de cada um para a guerra que se tornava cada vez mais próxima. Uma grande vantagem que “Game of Thrones” tem sobre grandes blockbusters cheios de batalhas é o fato de ser uma série de TV e ter tido mais tempo para nos fazer gostar (ou não) dos personagens, o que deu uma carga dramática muito maior para a batalha. E você sabe que a série está funcionando quando, no meio de todo aquele caos, você teme até mesmo pela vida de Sansa...

Vale mencionar também as mudanças que a série está fazendo em relação ao livro, o que eu tenho gostado bastante, ao contrário de alguns fãs mais xiitas. Os roteiristas estão criando muitas cenas novas, tirando outras, mudando algumas de lugar, mas com o cuidado para não descaracterizar a história e os personagens, o que é mais importante. Neste episódio, destaco a importância de Shae, que está tendo uma participação bem maior, principalmente por ter sido “promovida” a aia de Sansa, e ter criado uma espécie de amizade com a menina. E também não dá pra reclamar das mudanças na história quando o roteirista do episódio é ninguém menos que o escritor dos livros, George R.R. Martin, né?

Blackwater foi não apenas um espetáculo de ação e efeitos visuais (a cena do fogovivo ficou especialmente incrível!) comandados com maestria pelo diretor Neil Marshall (do filme “Centurião”), mas também um episódio que definiu de vez os personagens: Tyrion como o herói que mesmo tendo pouca habilidade com a espada, sabe usar a cabeça; Joffrey como o garoto mimado que se esconde quando a coisa fica séria; e Cersei como a mãe disposta a tudo pelos filhos, inclusive pensando em envenenar Tommen para que ele morra como um “verdadeiro leão”, numa das melhores cenas do episódio. Cersei, aliás, continua se destacando na série, e depois das cenas dela bêbada, já quero uma indicação ao Emmy para Lena Headey.

Agora falta apenas um episódio para o fim dessa segunda temporada de “Game of Thrones”, e as consequências da batalha (principalmente para Tyrion) tem tudo para ser ainda mais animadas do que a luta em si.

3 comentários:

Marcelo disse...

Quase criaram o "quarto de homem"!
Não li os livros, porem tenho quase certeza que o Pequeno está bem!

Angélica disse...

Tyrion cada vez mais se tornando meu personagem preferido, =D. Só espero que o Martin não decida matá-lo, já que, como bem disse a Arya, qualquer um pode ser morto, >_<.

♥♥♥ disse...

Nao li nenhum livro, apenas assisto a serie na tv e tbm tenho como personagem favorito o anão. Espero q ele nao tenha um fim terrivel como o do lord stark.